Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.
GARANTIR ELEIÇÕES LIVRES E DIRETAS NESTE 2018! DEFENDER A CONSTITUIÇÃO DE 1988 E TODA LEGALIDADE PROGRESSISTA! TODA SOLIDARIEDADE A LULA, MAS ELEIÇÃO SEM LULA É ELEIÇÃO SEM LULA!
Fevereiro 1, 2018
Pela segurança do povo: contra a intervenção no Rio de Janeiro!
Fevereiro 21, 2018

Carnaval 2018: um combustível para luta popular

“Não sou escravo de nenhum senhor”, “Sofri nos braços de um capataz”, “Morri nos canaviais onde se planta gente”, “Meu Deus! Meu Deus! Se eu chorar não leve a mal. Pela luz do candeeiro, liberte o cativeiro social”, “Oh! Pátria amada, por onde andarás? Seus filhos já não aguentam mais”, “Ganância veste terno e gravata onde a esperança sucumbiu”, “Teu livro eu não sei ler, Brasil!”: esses foram alguns dos versos cantados a plenos pulmões por sambistas e populares durante o carnaval brasileiro. Paraíso do Tuiuti e Beija-Flor de Nilópolis, respectivamente vice-campeã e campeã do carnaval carioca e donas dos sambas-enredo com aqueles profundos versos elencados, marcaram seus desfiles na Avenida Sapucaí por muito protesto e contestação ao golpismo e suas contra-reformas neoliberais, ao racismo, e à crise brasileira generalizada.

Independente do estilo apresentado por cada escola, tanto Beija-Flor, mais ampla e genérica, potencializando o senso comum de crise de representatividade e de criminalização da política, o que era óbvio por conta dos dirigentes da escola, quanto Paraíso do Tuiuti, mais objetiva contra o preconceito étnico-racial, contra o governo golpista de Michel Temer, contra as reformas neoliberais (trabalhista e previdenciária), contra as manifestações “Fora Dilma” dirigidas pelo conluio golpista, ambas escolas, enfim, despertaram a consciência das massas trabalhadoras para luta popular.

Importante recordar o papel da Estação Primeira de Mangueira, tradicional escola verde-rosa, que foi decisiva no combate ao Prefeito obscurantista Marcelo Crivella.

Terminada a festa do povo, que há muito segue atacada pelas elites dominantes que tentam acabar com ela, a tarefa agora é abastecer a luta popular com esse maravilhoso combustível: o carnaval de 2018.

Somos um povo de luta e carnaval! Somos um povo que levantará o projeto nacional-popular!

Viva a Brava Gente! Viva o Povo Brasileiro! Viva o Brasil!

Agora, vamos botar nosso bloco na rua contra a reforma da previdência!

 

Secretaria Nacional de Comunicação da Organização A Marighella – Construção do Partido Revolucionário