Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.
Raphael Martinelli: homem de ferro da ALN e nosso amigo camarada
setembro 18, 2017
Marighella Vive: 48 anos de despedida física do Comandante
novembro 4, 2017

50 anos depois, Guevara vive e sempre viverá!

Nascido em 14 de junho de 1928, em Rosário, na Argentina, Guevara nos despediu antes de completar 40 anos. Cinco décadas nos separam da triste despedida física do Comandante Che Guevara. Mas toda essa distância não foi capaz de impedir a cristalina presença guevarista nas lutas dos povos de todo mundo.

Brutalmente assassinado em La Higuera, na Bolívia, durante a madrugada de 8 para 9 de outubro de 1967, Ernesto Guevara de la Serna foi capturado e executado pelo exército boliviano, ora abertamente articulado e financiado pelo imperialismo norte-americano.

Oriundo de família rica, Ernesto formou-se em Medicina na Universidade de Buenos Aires, em 1953. Foi o primogênito dos cinco filhos de Ernesto Lynch e Celia de la Serna y Llosa. Em primeiro de janeiro de 1959, liderando o Movimento 26 de Julho, ao lado de Fidel Castro, Raúl Castro, Camilo Cienfuegos, Melba Hernández, Guevara viu Cuba se libertar da ditadura de Fulgêncio Batista e da dependência ao imperialismo ianque.

Contudo, Guevara tinha o internacionalismo revolucionário como missão única para sua vida. E assim embarcou em várias guerrilhas para colaborar na libertação dos povos explorados. Com a degeneração da União Soviética, após 1956 (XX Congresso do PCUS), coube a Cuba, simbolizada na figura e na ação de Che Guevara, a tarefa de apoiar os combates guerrilheiros na América Latina. Outros países socialistas também apoiariam estruturalmente as iniciativas das guerrilhas latino-americanas, mas ninguém viveu mais intensamente esse processo de apoio do que Guevara, inclusive entregando sua própria vida pelas causas do Socialismo e da Revolução.

Inegavelmente Guevara deu a orientação precisa para o Comandante Marighella. Foi a simbólica voz de comando daqueles e daquelas que ousaram resistir e vencer a ditadura militar no Brasil.

E hoje, 50 anos depois, afirmamos que Guevara vive e sempre viverá!

Guevara nos orienta e sempre orientará!

Viva a eterna presença do Comandante Che Guevara!